sábado, 14 de agosto de 2010

Ferrovia Norte - Sul

Ferrovia Norte-Sul terá duas bitolas entre Anápolis e Uruaçu
25-03-2010 11:03:20


Nesta e nas demais imagens, veja dormentes, trilhos, bitolas da
Norte-Sul no solo uruaçuense, em fotos de 10 de fevereiro último


Mesmo que em ritmo lento, obras da FNS prosseguem em Uruaçu,
na região, outras partes do Estado e do Brasil


Ferrovia Norte-Sul em Uruaçu, uma realidade aguardada há anos.
Foto de 10/02/10 mostra o lançamento oficial (etapa uruaçuense) da
montagem de dormentes e trilhos, por parte de autoridades e operários


Uruaçu integra trecho com Palmas-TO; e, com Anápolis (esse
pedaço de Norte-Sul aqui pertence ao trecho com Anápolis, nas
imediações da GO-237 [Uruaçu-Niquelândia], próximo a
localidade conhecida como Tapera)


Em poucos anos, a cidade de Uruaçu abrigará trechos de
diferentes vias férreas: Norte-Sul (foto) e Leste-Oeste,
além de estar interligada com a Ferrovia Centro-Atlântica
e outras Ferrovias

O trecho entre Anápolis e Uruaçu da Ferrovia Norte-Sul (FNS) terá bitola mista (distância entre os trilhos), uma delas de um metro para a circulação dos trens da Ferrovia Centro-Atlântica e a outra de 1,6 metro para os trens da Norte-Sul.
A informação foi dada ontem pelo engenheiro Wilsom Tadashi Shimura, superintendente de estudos e projetos da Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A..
Durante reunião no Porto Seco de Anápolis, da qual participaram o engenheiro Luiz Antonio Naresi, também da Valec; Delano Cavalcanti Calixto, diretor técnico da Goiás Parcerias; Oton Nascimento, secretário estadual do Planejamento e Desenvolvimento; e, o superintendente do Porto Seco de Anápolis, Édson Tavares.
Na reunião, os técnicos da Valec anunciaram uma série de atualizações no projeto da estação de transbordo de Anápolis, feito há oito anos. De acordo com Édson Tavares, a principal alteração está em colocar o trajeto da ferrovia passando por um pátio que vai contemplar a Estação Aduaneira e a Plataforma Logística Muldidal, que inclui o Aeroporto de Cargas e o entreposto da Zona Franca de Manaus. Pelo projeto original, a Ferrovia passava por fora até do Porto Seco.
“Será construído também um terminal de conteiners e várias linhas, todas com bitola mista, para facilitar a operação de cargas dentro do pátio”, relatou Édson Tavares, lembrando que serão construídos ainda três terminais distintos - um para biodíesel e etanol, um para grãos e outro para as demais cargas.
As adaptações vão incluir também a construção de uma elevatória no cruzamento da Ferrovia com a GO-330, próximo do Laboratório Teuto, com os carros passando por cima da ferrovia.
O engenheiro Wilsom Shimura não precisou um prazo para o reinício das obras da Norte-Sul no trecho urbano de Anápolis, que está paralisado desde o ano passado, devido ao surgimento de nascentes em parte do túnel que passa sob o trevo do Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA). Mas sobre as adaptações, o engenheiro acredita que em no máximo 60 dias as obras serão iniciadas.
O superintendente do Porto Seco considerou a reunião proveitosa, destacando o anúncio das bitolas mistas até Uruaçu como de grande importância para toda região. “Isto significa que os trens da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) poderão chegar até Uruaçu, fazendo uma ligação direta dessa região com o Sul e o Sudeste do país”.
A reunião de ontem foi acertada pelo secretário de planejamento, Oton Nascimento, durante uma reunião com o diretor de engenharia da Valec, Jorge Mesquita, ocorrida no início deste mês, no Rio Janeiro-RJ. De acordo com o secretário, os técnicos consideraram válidas as observações feitas no projeto original, reconhecendo que hoje a demanda por logística tem uma nova dimensão.

Assessoria de Comunicação Social - Prefeitura de Uruaçu
Transcrito do jornal O Popular (Goiânia-GO) - Paulo Nunes Gonçalves, desta data
Postagem: março/2010

sábado, 22 de maio de 2010

Localizada no estado de Minas Gerais, no município de São José das Três Ilhas a histórica Fazenda da Prosperidade, construida pelo Barão José Alves da

Pintura nas paredes do inteiror da Fazenda pelo artista Augusto Vilaronga

Brasão da Santa Justa



Fazenda da Prosperidade



Titulares do Imperio Brasileiro


SANTA JUSTA, 1o Barão com as honras de grandeza de Jacinto Alves Barbosa

SANTA JUSTA, 2o Barão de Francisco Alves Barbosa

SANTA JUSTA,3o Barão de José Alves da Silveira Barbosa (Fazenda Prosperidade)

SANTA JUSTA, 4o Viscondessa de Dona Bernardina Alves Barbosa

RODRIGUES ALVES

Félix Rodrigues Alves foi natural da freguesia de São Pedro da Ponta Delgada, ilha das Flores, filho de Antônio Rodrigues Alves e Maria Coelho.


Casou-se com Teresa de Souza Furtado, natural da mesma freguesia, filha do cap. João Furtado e Francisca de Souza.
Pais de:

1.1 Amaro de Souza, nascido em São Pedro da Ponta Delgada e casado com Helena Maria de Santa Ana, da freguesia de Campo Grande (RJ), filha de Joaquim de Albuquerque Cavalcanti e Teodora Cabral.

Eles deixaram:

2.1 Joana Maria da Rosa, batizada na Sacra Família do Tinguá a 20 de junho de 1774 e casada na mesma igreja matriz a 25 de julho de 1792 com José de Souza Ferreira, nascido na freguesia de São Bartolomeu, na ilha Terceira, filho de Narciso de Souza e Josefa Mariana (ambos da freguesia de São Mateus, na mesma ilha).

O casal gerou:

3.1 João, batizado na Sacra Família do Tinguá a 19 de maio de 1793.

3.2 José, batizado na Sacra Família do Tinguá no dia 25 de fevereiro de 1795.

2.2 Francisco, batizado na Sacra Família do Tinguá a 25 de dezembro de 1777.

2.3 Inácia, batizada na Sacra Família do Tinguá no dia 3 de maio de 1782.

1.2 Joana Maria Rodrigues, casada com José Gomes Leal, filho de Francisco Gomes Leal e Vitória Ribeiro. Com geração no tit. GOMES LEAL.

1.3 Maria de Jesus, casada com João Barbosa de Sá, filho de Francisco Marcos Barbosa e Maria de Sá Barbosa. Com geração dita no tit. PAIS FERREIRA.

1.4 Antônio, batizado na Sacra Família do Tinguá no dia 3 de julho de 1762.

1.5 Ana Maria de Jesus, nascida na Sacra Família de Tinguá e batizada no dia 26 de janeiro de 1766. Foi ali casada no dia 12 de novembro de 1792 com Antônio Alves de Lacerda, nascido na vila das Velas, ilha de São Jorge dos Açores, filho do cap. Diogo Antônio da Silveira e Umbelina Pereira de Lacerda.

Deles vieram:

2.1 Pulquéria Maria de Jesus, casada com José de Souza Ferreira, filho de José de Souza Ferreira Durásio e Joana Rosa de Santa Ana. Com geração no tit. SOUZA FERREIRA DURÁSIO.

2.2 Cândida Francisca de Lacerda, casada com Manuel Cardoso Barbosa, filho de João Cardoso Leal e Mariana Barbosa de Sá. Com geração no tit. CARDOSO LEAL.

2.3 Dorotéia Francisca de Lacerda, casada com Antônio de Souza Durásio, filho de José de Souza Ferreira Durásio e Joana Rosa de Santa Ana. Com geração no tit. SOUZA FERREIRA DURÁSIO.
1.6 Antônia Francisca de Souza, casada com José Alves Barbosa, filho de Francisco Marcos Barbosa e Mariana de Sá Barbosa. Com geração no tit. PAIS FERREIRA.

RODRIGUES ALVES

Francisco Rodrigues Alves foi natural da freguesia de São Pedro da Ponta Delgada, ilha das Flores, filho de Antônio Rodrigues Alves e Maria Coelho.


Ele foi casado com Antônia Barbosa de Sá.


O casal recebeu sesmaria em Vassouras em 6 de outubro de 1782. Em 1792, Francisco Rodrigues Alves já tinha cafezais em sua propriedade para abastecer à sua família.

Pais de:


1.1 Eleutério Rodrigues Barbosa foi casado com Maria Rosa de Jesus.
Eles tiveram:

2.1 Manuel Francisco Alves, nascido na Sacra Família de Tinguá e ali casado a 29 de outubro de 1832 com Maria Barbosa de Sá, também de Tinguá, filha de José Tomás Francisco e Benta Barbosa de Sá.

1.1 (bis) Eleutério foi depois casado em Tinguá no dia 20 de novembro de 1834 com Maria Luísa de Freitas, também de Tinguá, filha de José de Souza Freitas e Luísa Maria do Espírito Santo.
Deixaram:

2.2 Maria, batizada na Sacra Família do Tinguá a 14 de novembro de 1835.

2.3 Salustiano, batizado na Sacra Família do Tinguá no dia 16 de fevereiro de 1836.

2.4 Marcelina, batizada na Sacra Família do Tinguá a 18 de julho de 1843.

2.5 Estêvão, batizado na Sacra Família do Tinguá no dia 11 de março de 1847.

2.6 Prisciliana, batizada na Sacra Família do Tinguá a 19 de agosto de 1848.

2.7 Leopoldina, batizada na Sacra Família do Tinguá no dia 16 de março de 1850.

2.8 Francisco, batizado na Sacra Família do Tinguá a 27 de setembro de 1851.

2.9 João, batizado na Sacra Família do Tinguá a 28 de setembro de 1852.

1.2 Ana Barbosa de Sá, casada com José de Avelar e Almeida, filho de Manuel de Avelar e Almeida e Suzana Maria de Jesus. Com geração no tit. COELHO DE AVELAR.

1.3 Jacinto Alves Barbosa, nascido em Vassouras no dia 15 de agosto de 1792.
Começou sua vida como simples tropeiro.
Casou-se com Tomásia Maria de Jesus, filha de Antônio da Silveira Dutra e Maria Inácia da Conceição.


Jacinto foi agraciado com o título de Barão de Santa Justa.
Foi proprietário dentre outras, das fazendas Santa Justa, São Fidélis, São Felipe e Monte Cristo, situadas nos municípios de Valença, Rio das Flores, Três Ilhas (MG), e Paraíba do Sul.


Ele morreu em Rio das Flores no dia 20 de novembro de 1872. Está enterrado no Cemitério do arraial de São José do Rio Preto, em Três Ilhas, Minas Gerais, junto de sua esposa e de algumas das filhas. Seu inventário correu pelo Cartório de Paraíba do Sul.
O casal teve:

2.1 Leopoldina Augusta Alves Barbosa, mulher do Barão de Santa Fé, José Rodrigues Alves Barbosa, filho de Francisco Rodrigues Barbosa e Mariana Rosa de Jesus. Com geração adiante descrita.

2.2 Maria Jacinta Alves Barbosa, nascida em 1829 e casada em 1887 com Balduíno Joaquim de Menezes, carioca nascido em 1830.
Ele foi agraciado com o título de Barão de Menezes.
Maria Jacinta faleceu em 1901 e Balduíno morreu em 1908. Não deixaram descendentes.

2.3 Clara Jacinta Alves Barbosa, casada com o Visconde Ibituruna.

2.4 Francisco Alves Barbosa, segundo Barão de Santa Justa.

2.5 José Alves da Silveira Barbosa, terceiro Barão de Santa Justa. Proprietário da Fazenda Prosperidade, localizada em São José das Três Ilhas - Minas Gerais

1.4 Francisco Rodrigues Barbosa foi casado com Mariana Rosa de Jesus.
Pais de:

2.1 Benta Maria da Conceição, nascida na Sacra Família de Tinguá e ali casada a 25 de outubro de 1822 com Manuel Francisco de Avelar, nascido na freguesia de São Pedro, na ilha das Flores, filho de José Francisco de Avelar e Catarina Inácia.

O casal teve:

3.1 Leopoldino, batizado na Sacra Família do Tinguá a 10 de maio de 1825.

3.2 Bernardino, batizado na Sacra Família do Tinguá no dia 11 de março de 1833.

2.2 Rosa Maria de Jesus, casada com José Cardoso Leal, filho de João Cardoso Leal e Mariana Barbosa de Sá. Com geração no tit. CARDOSO LEAL.


Rosa Maria foi depois casada com Jacinto Rodrigues Tomás, filho de José Tomás Francisco e Benta Barbosa de Sá. Ver tit. BARBOSA DE SÁ.

2.3 Francisco Rodrigues Barbosa Jr., nativo da Sacra Família de Tinguá e casado na mesma vila a 1º de setembro de 1829 com Francisca Maria de Jesus, sua conterrânea, filha de Manuel de Avelar e Almeida e Suzana Maria de Jesus.


Eles foram pais de:

3.1 Malaquias, batizado na Sacra Família do Tinguá a 30 de novembro de 1830.

3.2 Francisco, batizado na Sacra Família do Tinguá no dia 27 de janeiro de 1832.

3.3 Deolinda, batizada na Sacra Família do Tinguá a 30 de janeiro de 1833.

3.4 José, batizado na Sacra Família do Tinguá no dia 16 de março de 1834.

3.5 Marcelino, batizado na Sacra Família do Tinguá a 25 de abril de 1835.

2.4 José Rodrigues Alves Barbosa, nascido na Sacra Família em 1803 e casado com sua prima Leopoldina Augusta Alves Barbosa, filha de Jacinto Alves Barbosa e Tomásia Maria de Jesus.
José foi agraciado com título de Barão de Santa Fé em 1875.


O casal foi fazendeiro de café na então província do Rio de Janeiro e provedor da Santa Casa de Misericórdia de Valença. Proprietário das fazendas do Bananal, em Rio das Flores, e São Filipe, em Três Ilhas (Minas Gerais).


Ele morreu no dia 3 de dezembro de 1889 e foi sepultado no cemitério de São João Batista, no Rio de Janeiro.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

VII Simpósio de Pequenas e Médias Hidrelétricas

Ocorreu entre os dias 11 e 13 de maio, promovido pelo Comitê Brasileiro de Barragens, no Centro FECOMERCIO, o VII Simpósio sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas (7 PCH). O evento reuniu empresas ligadas a estudos ambientais, planejamento, investimento, projeto, construção e operação de usinas, empresas especializadas em geotecnia,fabricantes e montadoras de equipamentos eletromecânicos, setor de energia, consultores, centros de pesquisa e universidades. O 7 PCH foi um fórum privilegiado onde ocorreu debates técnicos, apresentação de novas tecnologias e também a realização de vários negócios.

Paralelamente ao Simpósio, houve a Exposição Técnica de Produtos e Serviços relacionados com projeto, construção, operação, manutenção, automação e transmissão de energia de pequenas e médias centrais hidrelétricas.


O Eng. Luiz Antônio Naresi Júnior, abordou o tema pela Progeo Engenharia Ltda, sobre "SERVIÇOS GEOTÉCNICOS EM BARRAGENS", onde abordou com ênfase o tema cortina de injeção para consolidação de maciços de barragens e controles técnicos referentes aos resultados obtidos, execução de concreto projetado para proteção de taludes em barragens, contenções com tirantes para proteção da casa de força, enfilagem tubular injetada para execução de tunel de adução escavado em rocha dentre outros temas, recebendo amigos em seguida na exposição técnica. Abordou os principais problemas enfrentados com relação aos riscos geotécnicos, hidrológicos e hidráulicos não previsíveis nos projetos executivos como um dos principais problemas enfrentados pelos empreendedores neste setor.

sábado, 12 de setembro de 2009

Solenidade de abertura do Minascon / Construir Minas - 15 CBENC


Abertura do evento pelo Prefeito de Belo Horizonte Eng. Márcio Lacerda

Aconteceu nesta terça-feira, 1º de setembro, a abertura oficial do Minascon/Construir Minas 2009. A solenidade reuniu o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado Junior; o presidente da Câmara da Indústria da Construção (CIC) da Fiemg, Teodomiro Diniz Camargos; o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda; o presidente da Associação Brasileira de Engenheiros Civis (Abenc) Nacional, Ney Fernando Perracini de Azevedo, e de Minas Gerais, Iocanã Pinheiro de Araújo Moreira; o presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Minas Gerais, Gilson Carvalho de Queiroz Filho; o diretor do SEBRAE Minas, Afonso Maria Rocha; o diretor da Tambasa, Gerson Bartolomeu; e o presidente da GL events, Arthur Repsold. Também estiveram presentes demais representantes do setor, além de autoridades estaduais e municipais.

Presidente do CREA - MG - Eng. Gilson Carvalho de Queiroz Filho

O presidente da CIC Fiemg, Teodomiro Diniz Camargos, foi o primeiro a se pronunciar. De acordo com o dirigente, o Minascon/Construir Minas é um evento de máxima importância por subsidiar o trabalho e o desenvolvimento do setor. Camargos disse que o Brasil assiste hoje ao crescimento da confiança de empresários, situação estimulada pelos diversos programas de estímulo recentemente implantados pelo Governo Federal, como o "Minha Casa, Minha Vida".

Na oportunidade, também foram lançados os Guias de Sustentabilidade pelo Sindicer - Sindicato da Indústria de Cerâmica, e o Siprocimg - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento de MG. Abertura do evento


O vice-presidente da Fiemg, Olavo Machado Junior, enfatizou os esforços de Minas Gerais na tentativa de minimizar os impactos da crise e o crescimento da construção. "Este evento é o que soma para o setor", afirmou. Encerramento os pronunciamentos oficiais, o prefeito Márcio Lacerda destacou as ações da administração municipal na tentativa de conter a retração do segmento e promover melhorias em longo prazo. "Um encontro como esse, com articulação nacional, vai contribuir efetivamente para o desenvolvimento da construção", garantiu.

O evento foi finalizado com uma conferência magna, proferida pelo jornalista econômico da Globo News, George Vidor.

Eng. Reuter, Jornaista George Vidor e Eng. Luiz Naresi no final do evento na confraternização.

Ele fez um balanço da situação econômica brasileira, comparando-a com a mundial. Avaliou a atual crise como a mais grave dos últimos 50 anos e provavelmente também dos próximos 50. "Mas a crise foi menos demorada do que se esperava e isso é uma amostra de que o Brasil tem um excelente poder de recuperação de sua economia".

Eng. reuter / Eng. Luiz Naresi trocando idéias a respeito do projeto de qualificação profissional apresentado pelo Eng. Reuter após o evento aos colegas de profissão no coquetel de confraternização.

Após participação no 15º CBENC( CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHEIROS CIVIS ) paralelo ao evento MINASCON, o Eng. Reuter fez contato com diversas pessoas ligadas à construção civil, enviando uma minuta do projeto, na função de presidente da SERCAP, realizando em conjunto com a FUNDEP, uma gestão de qualificação na área profissional.
Após analise da minuta apresentada abaixo, solicitou, que quem estiver interessado em se tornar um apoiador dele, enviar sugestões e contatos para trocas de ideias bem como divulgar o programa.

Apresento como apoio ao mesmo a minuta abaixo :

"GESTÃO DE QUALIFICAÇAO PARA EMPRESAS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA / PRIVADA



Com um cenário atual, demonstrando a falta de profissionais especializados na indústria da construção civil e apresentando um crescente número de funcionários com idade avançada nas empresas, a SERCAP, através de seu presidente, associou-se à FUNDEP para gerar um projeto com o objetivo de adequar o quadro funcional dessas empresas, proporcionando uma modificação desta realidade.

Visando o aprimoramento técnico do quadro de funcionários destas empresas que trabalham na área de engenharia e arquitetura, o projeto abrange desde o setor gerencial ate o operacional oferecendo cursos de especialização MBA, técnicos profissionalizantes e de certificação na área operacional (ex. pedreiro, carpinteiro, bombeiro, pintor e etc.).

Na SUDECAP, por exemplo, estamos passando por um processo de reestruturação de empregados que estão aposentados. A proposta da SERCAP é: se o funcionário for necessário no seu setor, que seja incluído neste projeto, adequando-o a realidade atual, através de qualificação específica em sua área de trabalho. O aposentado, cujo, seja “desnecessário o emprego”, conforme decreto n.º. 13.614/2009, será também qualificado para uma melhor inserção no mercado, quando cessar o vinculo com a SUDECAP. Isto evitará incorrer em estatísticas que comprovam problemas psicológicos e sociais a este funcionário, que tanto já contribuiu para esta empresa.

A idéia vai mais além; Cada empresa, pública ou privada, tem hoje no seu quadro de colaboradores aquele elemento antigo de confiança, que tem a experiência e conhecimentos práticos na empresa, sendo considerado o “braço direito”, imprescindível no trabalho. Quando participar deste projeto, estará unindo a “este valor”, a técnica, o aperfeiçoamento e consequentemente, elevando o seu nível profissional, o da empresa, e porque não dizer do BRASIL...uma nação onde organizações investem em treinamento e desenvolvimento das pessoas, visando maior qualificação e otimização de resultados e processos.

Não podemos esquecer dos jovens funcionários que também irão se aprimorar, e criarão um vinculo maior com a empresa.

Estaremos trabalhando em parceria com os sindicatos e entidades de classe para uma divulgação da grade de cursos a todos os interessados.

Formaremos parcerias público/privada para gerir o projeto, sem ônus para o beneficiado.


Reuter Ferreira Junior
Presidente da Associação dos Servidores da
SUDECAP (Superintendência de Desenvolvimento da Capital)
reuter@pbh.gov.br"